Entre as diferentes sociedades humanas, há um fenômeno altamente complexo e que deve ser entendido corretamente para assimilar sua relevância ou significado. Estamos falando de imigração, um processo através do qual parte de uma população entra na região onde outra comunidade vive e ocorrem trocas de todos os tipos. A compreensão dos processos migratórios é de vital importância para poder analisar os comportamentos coletivos e as dinâmicas econômicas e culturais.

Os benefícios de integrar aqueles que vêm de fora: laços culturais e econômicos

Há uma razão principal pela qual a imigração pode ser vista como um fenômeno positivo e que necessariamente leva a comunidade original a enriquecer-se com a presença da nova comunidade, a que chega. Os imigrantes chegam ao seu destino carregando uma carga interessante de bagagem cultural, identificada com seu local de origem e que eles provavelmente mantêm seu lugar de destino. Assim, aquelas culturas que chegam adicionam ao original e as transformam, enriquecendo e adicionando tradições, rituais, modos de pensar, idiomas, etc. Um caso visível disso é o que aconteceu em países como a Argentina, quando os europeus que viajaram para se instalar nessas terras contribuíram com elementos de suas culturas que posteriormente contribuiriam para formar a identidade nacional da Argentina.

Por outro lado, os imigrantes também têm um elemento relevante e é que eles sempre transformam a dinâmica econômica do lugar onde eles chegam, especialmente se eles chegarem em um país onde o trabalho é necessário e sua presença pode ajudar a avançar isso território. Isso pode se tornar um problema quando a situação econômica é de crise ou incerteza e a chegada de imigrantes aprofunda a situação.

Por que os processos migratórios podem ser problemáticos?

Quando falamos sobre esse tipo de fenômeno, devemos deixar claro que, embora tenham elementos positivos, podem tornar-se conflitantes. Isto é principalmente devido à ausência de Estados para encorajar a integração desses estrangeiros, mas também a incapacidade de quem governa para garantir condições de vida completas. É compreensível que existam países onde as oportunidades de emprego são escassas e, portanto, a imigração não é favorecida.

Existem países e territórios que procuram limitar a entrada de estrangeiros porque podem gerar instabilidade econômica, mas também devemos ter em mente que as obrigações humanitárias de cada Estado não são apenas para os habitantes originais do território que Ele governa. É por isso que as crises humanitárias como as dos refugiados em face de conflitos e guerras civis devem ser resolvidas em solidariedade entre todos os países do mundo.

Imagens: Fotolia – Acro, Doom