As diferentes disciplinas e áreas do conhecimento têm algo em comum, porque em todas elas procuramos saber a verdade sobre algo. Poderíamos dizer que essa busca é uma inclinação natural que nos leva a descobrir enigmas e superar nossas próprias limitações.

Uma viagem que nunca chega ao destino final

A matemática nos permite ter uma ideia válida sobre o que é verdadeiro ou falso. Se eu disser que dois e dois são quatro ou que a linha reta é a menor distância entre dois pontos, afirmei algo que ninguém pode discutir. No entanto, em outras áreas, o conceito de verdade ou falsidade é borrado de uma maneira notável. Assim, num sentido absoluto, não há nada que seja totalmente verdadeiro, porque há sempre a possibilidade de surgirem novas informações que contradigam os fatos. Nesse sentido, muitas teorias que foram consideradas válidas comprovaram, ao longo do tempo, sua falsidade. Em outras palavras, a ideia de verdade com a qual lidamos é provisória.

Embora a ideia da verdade esteja em mudança e instável, não devemos renunciar a ela. Precisamos acreditar que o que pensamos é verdade, caso contrário, viveríamos em dúvida permanente. Assim, criamos alguns critérios válidos para alcançar um certo grau de coerência entre o que pensamos e o que dizemos, entre o que vemos e as palavras que usamos para expressá-lo. De algum modo, a busca da verdade é como uma jornada que devemos percorrer para avançar no conhecimento de tudo o que existe.

Ao mesmo tempo, a verdade tem um evidente componente ético, uma vez que em todas as culturas os que recorrem a falsidades ou mentiras são penalizados.

Alétheia e veritas

Para os gregos, o conceito de verdade era entendido como uma atitude intelectual e uma forma de compreender a existência de alguém. Dessa forma, eles consideravam que o que permanecia oculto e envolvido em mistério podia ser revelado. Para expressar essa ideia, usaram a palavra alétheia. Este termo vem da mitologia grega, porque Alétheia era a deusa da verdade e da sinceridade.

Na civilização romana, a ideia de verdade foi expressa com a palavra veritas. Entendeu-se que a veritas era uma virtude necessária e sem ela a coexistência não era possível.

Certezas, verdades e opiniões

Diante da possibilidade de obter a verdade sobre um problema, existem várias alternativas. Poderíamos escolher a opção da ignorância voluntária, mas é uma escolha absurda. Também seria possível escolher o caminho da dúvida, mas esse caminho não leva a lugar nenhum.

Finalmente, uma vez que as verdades absolutas são inatingíveis, só temos o caminho da certeza, ou seja, um conhecimento seguro e confiável sobre algo.

As certezas que temos são baseadas em evidências e têm uma classificação superior às opiniões subjetivas simples.

Imagens: Fotolia. nuvolanevicata